Centro Pop Miguilim

IMG_20160726_144710555Considera-se como público do Centro Pop/Miguilim crianças e adolescentes que fazem da rua o local de moradia e ou sobrevivência e de ordenação de suas identidades, cotidiano e relações.

Neste sentido, uma vez definido o seu público, o Serviço Especializado para criança e adolescente em Situação de Rua estabelece as condições para o seu acesso, e desenvolve ações socioassistenciais e socioeducativas de acordo com as necessidades e situações de vulnerabilidade e risco.

A organização do trabalho essencial desenvolvido pelo Serviço Especializado para criança e adolescente em Situação de Rua deve, portanto, considerar as especificidades das ações, atividades e procedimentos que lhe permitam atingir os objetivos traçados para os seus lócus de atuação no SUAS.

Objetivo Geral

Ofertar o Serviço de Proteção Social de Média Complexidade: Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua/Centro POP Miguilim, às crianças e adolescentes em situação de rua que vivenciam situações que demandam atendimento e acompanhamento especializado no âmbito do Sistema Único de Assitencia Social-SUAS, tais como: violência física, psicológica, negligência, abandono, violência sexual (abuso e exploração sexual), trabalho infantil, entre outras evidências que acarretam a ruptura/fragiliação dos vínculos familiares e comunitários, em um espaço diurno de proteção social especial voltado para as articulações de defesa de direitos e construção do processo de saída da rua.

IMG_20160826_140407866

 

Descrição do Atendimento

ADRA Sudeste visa ofertar os serviços da Média Complexidade disponibilizados através do Centro de Referência para Pessoas em Situação de Rua/ – Centro POP Miguilim.

Principais atividades a serem desenvolvidas:

  • Acolhida, escuta, estudo social, diagnóstico socioeconômico, da família e das relações comunitárias;
  • Informação, comunicação e defesa de direitos;
  • Referência e contra referência;
  • Orientação e suporte para acesso à documentação pessoal;
  • Mobilização da família e família extensa ou ampliada;
  • Mobilização e fortalecimento do convívio e redes de apoio;
  • Estímulo ao convívio familiar, grupal e social;
  • Realização de atividades de oficinas, recreativas, artísticas, pedagógicas e práticas esportivas;
  • Orientação e encaminhamentos para as redes de serviços locais;
  • Articulação com outros serviços das políticas públicas setoriais;
  • Articulação interinstitucional com os órgãos do Sistema de Garantia de Direitos;
  • Articulação da rede de serviços socioassistenciais;
  • Elaboração de relatórios, prontuários, pareceres e ofícios;
  • Registro de atendimento em protocolos físicos e eletrônicos.

 

Participação da família

A participação das famílias dar-se-á:

– Nas entrevistas, atendimentos espontâneos e/ou agendados,

– Através de telefonemas realizados pelos técnicos com a finalidade de obter informações sobre a situação socioeconômica e familiar do usuário;

– Na elaboração do Plano Individual de Atendimento-PIA.

Deverão ser construídas no decorrer do acompanhamento pela equipe técnica, outras maneiras de intervenção com as famílias, de modo que sua participação aconteça de forma efetiva no decorrer do processo.

IMG_20160726_141024237

Impactos Esperados:

  • Fortalecimento da articulação na rede para o fortalecimento do sistema de garantia de direitos;
  • Retorno à família de origem ou extensa;
  • Construção de novos projetos de vida;
  • Fortalecimento do sistema de garantia de direitos para o atendimento a criança e adolescentes em situação de rua;
  • Contribuir para a redução das violações dos direitos socioassistenciais seus agravamentos ou reincidência;
  • Proteção social a crianças e adolescentes em situação de rua.